domingo, 4 de maio de 2014

Recordações da Longra d'outras eras...


Como ainda há quem se lembre, até finais dos anos sessenta, do século XX, na região da antiga povoação da Longra e pela área circunvizinha, apenas havia o bar da Casa do Povo a servir de local público de cafetaria e convívio. Costumando, por via disso, juntar-se muitas pessoas (muito povo, como se dizia popularmente) em amenas conversas de passatempo no Largo da Longra… Quando ali no centro urbano havia o pinheiro central, na placa de praceta triangular, onde estavam então os engraxas, com suas caixas a aproveitar para ganharem uns cobres e fazerem jeito para tirar o pó dos sapatos, enquanto, por exemplo, por ali andava o João Taranta a fazer distrair conhecidos e desconhecidos, entre outros personagens típicos (quão ficou descrito no livro de contos “Sorrisos de Pensamento”…), etc. e tal. Até que surgiu o Café Longra, por inerência e por todos mais conhecido como Café da Longra, desde finais de 1969. Estabelecimento do sr. Manuel, como se sabe, o amigo sr. Manuel Marinho, de nome completo Manuel António Marinho da Silva, a quem aproveitamos para fazer uma homenagem com esta lembrança – o senhor Manuel das Mobílias, como era mais conhecido.

Ora, como por vezes faz bem lembrar outros tempos e recordar é viver, tal qual se diz normalmente, é do Café Longra a recordação que aqui colocamos, desta vez. Com umas imagens de tempos antigos, precisamente, embora já mais pelos anos setentas, no caso. Reparando-se no reclame do café. Etc. etc.

Em vista disso, colocamos um repto: Quem conhece, quem…?  –  Ou seja, quem saberá identificar quem está na foto de baixo, o empregado do estabelecimento e frequentadores desse tempo (bem refastelados, nessa ocasião, na esplanada) do Café Longra?!


(((( Clicar sobre as fotos, para ampliar ))))

© Armando Pinto

10 comentários:

  1. Ora vejamos se acerto! O giraço de blaser é o Sr Armando da Costa Pinto, mais conhecido à época por Mandinho. Os outros dois moçoilos tenho que pensar um pouquinho mais.

    ResponderExcluir
  2. Ora vejamos! O mais giraço, de blaser escuro, é o Sr. Armando da Costa Pinto, mais conhecido à época por Mandinho, os outros 2 moçoilos tenho que pensar mais um pouquinho.

    ResponderExcluir
  3. Em parte já foi dito como eu pensava que o de blusão escuro é o sr. Pinto, o empregado de mesa tenho ideia mas não me lembro do nome.

    CF

    ResponderExcluir
  4. Pedro Celestino Teixeira

    Que boas recordações eu tenho nesse tempo e neste Café.
    Eu penso que o A. Pinto está claro. O empregado quase tenho a certeza que é o «Quim» um empregado que trabalhou neste (Histórico para mim) Café da Longra.
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Ora, apreciamos muito as mensagens entretanto expostas. E, embora agradecendo a atenção de alguns telefonemas, para o caso isso não conta, apesar de sabermos, como acabamos de confirmar, que há pessoas que ainda não tentaram, por não estarem habituados, a comentar na respetiva caixa, pelo processo do blogger. Ou seja não sabem como fazer, mas até é fácil, não tanto como no facebook - apenas que assim, deste modo, não há risco de abusos, pois depois de se escrever e carregar no comentar, ainda é precisa a aprovação (conforme frase que aparece,)
    Ora, para já, as respostas estão certas. Mas incompletas, pois falta identificar mais uma pessoa.
    Aguardemos.

    ResponderExcluir
  6. Oh Mandinho, dá aí uma ajudita a esta criança pequena à época, o da t'shirt escura não é o filho mais velho do Sr Marinho!? Só me lembro do nome do filho mais novo o Toni, que é mais ou menos da minha idade e foi meu colega no Colégio em Amarante.

    ResponderExcluir
  7. Olá Tita.
    Não é esse que dizes, não.
    Posso adiantar que esse meu amigo, mais novo que eu, era filho de um médico da terra... Vamos a ver se assim alguém descobre.

    ResponderExcluir
  8. Ahahah
    Com a tua ajuda agora é facil...
    Filho do Dr. Aurelio - Zé Carlos

    Quem tem uma "minhua" tem tudo....

    Bjinho

    ResponderExcluir
  9. Viva.
    Está certo!

    Como se pode ver, não era difícil, embora como, derivado ao natural desenvolvimento da idade, as pessoas mudam muito com o tempo e podem nem parecer com o que eram e são. Tal o caso, desta foto já com mais ou menos uns quarenta anos. Ora, como se costuma dizer: Como o tempo passa....!

    ResponderExcluir
  10. Ora muito bem, com a (ajuda) ou não!! Refazendo Armando Pinto, Zé Carlos e Joaquim ( Quim )

    ResponderExcluir