sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Artigo com a Biblioteca Municipal em estante... no Semanário de Felgueiras


Numa ligação ao artigo anteriormente aqui tratado, continua-se nos contornos da biblioteca municipal de Felgueiras, desta vez com texto publicado na mais recente edição do jornal Semanário de Felgueiras. 

Assim sendo, não só por presentemente não acontecer nada de novo, de enfoque especial, cá pela nossa região, mas também porque o que existe vale mais, voltamos atrás no tempo para mais uma rememoração, na ciência comprovativa que a memória deve fazer justiça. 

Eis então a coluna, do que foi publicado no SF desta sexta-feira 27 de Fevereiro, seguindo-se o texto normal, para facilitar a leitura:

((( Clicar sobre a imagem, para ampliar )))

Hernâni Cidade

Estamos com Fevereiro a dar seus últimos toques, com noites enluaradas, de modo que no dizer popular o luar de Fevereiro quem o dera o ano inteiro. Apesar do frio e tempo instável, como época das “Febreiradas”, na voz popular quanto às Fevereiradas a condizer, em que tanto chove como faz sol. Além de ser o mês mais pequeno, mas mesmo assim dando para as costumeiras andanças de dia e pela noite dentro, com os festejos de Carnaval (época móvel, que calha mais neste mês), tal qual primeiras manifestações populares da Quaresma.

Ora, assim sendo, pode ver-se bem como o que parece de menor abrangência e nem sempre com tempérie estável, também tem seus atrativos. Quanto no caso da cultura de interesse mais local, relacionada à identidade concelhia.

Vem ao caso a lembrança dum personagem que teve alguma influência em Felgueiras, mas por motivos diversos tem sido injustiçado nos contornos históricos felgueirenses, como foi o Prof. Dr. Hernâni Cidade. Pessoa que já nem é de nosso tempo, mas deve merecer consideração.

Houve e há quem se admire por Hernâni Cidade ter escrito, em princípios da década de quarenta, do século XX, que desconhecia a história de Felgueiras, afirmando, no que se entende de suas palavras impressas, que os felgueirenses eram dos povos felizes que não tinham um passado a reter-lhes o futuro. Sabendo-se que esse homem de cultura foi o iniciador duma pioneira biblioteca municipal, sobretudo. Mau grado opiniões contrárias, contudo com alguma verdade a constar duma publicação do antigo jornal Primeiro de Janeiro, em caderno-suplemento de edição especial vindo a público em 1979, contendo informações recolhidas precisamente com dados constantes na antiga biblioteca municipal, quando ainda estava implantada no edifício dos paços do concelho.

A relação com a falta de conhecimentos do passado felgueirense nem é de estranhar, verificando-se que nesses idos anos de quarenta e até de cinquenta praticamente nada havia a historiar Felgueiras. Temos em mãos, por exemplo, um álbum editado em 1953 pelo antigo jornal O Século, com o país de lés a lés, por distritos, incluindo imagens e informações cinquentonas de cidades, vilas e aldeias, com alguma importância. E ali, no distrito do Porto, lá estão as cidades e quase todas as vilas cabeças de concelho, mas de Felgueiras nada, mais parecia nem andar no mapa, nesses tempos…

Ora, com essas e outras, não virá mal algum ao mundo em se recuar nos trilhos da história. Remetendo à evocação do Prof. Hernâni Cidade, personagem oriundo do sul (do Redondo-Évora) mas que viveu temporadas em Felgueiras com familiares, nas férias de professor das Faculdades de Letras do Porto e Lisboa. Acontecendo então que foi ele quem criou a primeira biblioteca municipal da vila de Felgueiras, dedicando-se durante tempos de descanso a juntar livros espalhados e ordenando algum material literário e documental existente na Câmara. Apesar de desconhecer a história de Felgueiras, mas sabendo-se que vinha a Felgueiras visitar amigos e passava temporadas com a família, conforme recordava sua filha, a ativista política Helena Cidade Moura. Entretanto gerou-se uma ideia de certo menosprezo, passado muito tempo, derivado a um escrito em que ele expressou desconhecimento pela história felgueirense (crendo mesmo, como escreveu, que pertencia «à categoria dos povos felizes que a não têm...»), como resultado da falta de informações enfeixadas que à época se fazia sentir localmente. Tendo contudo Hernâni Cidade, escritor e jornalista de renome, transmitido apenas as suas impressões com “Felgueiras e seus arredores”, artigo datado de Lisboa em 1941 e publicado na coleção «Portugal Económico Monumental e Artístico», que serviu para diversos fins em publicações locais, onde teve transcrições ao longo de muitos anos.

Isto da cultura, quanto à vertente histórica, é quase como a lua, que a todos encanta mas não é de ninguém.

Armando Pinto

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Uma vista por tempos antigos da Biblioteca de Felgueiras...


Passemos os olhos, parcialmente neste caso, sobre umas páginas amarelecidas, mas estimadas, como temos ainda, dum caderno-suplemento do antigo jornal “Primeiro de Janeiro”, sob pomposo título de “FELGUEIRAS indústria conduz ao progresso” - em plenos tempos de transformação social ocorrida nos anos setentas, do século XX. Bastando depois ler com atenção o artigo respigado, que aqui vamos partilhar. 

Mas antes, convirá umas linhas de marcação, ao tema.

Como é do conhecimento público, a atual Biblioteca Municipal de Felgueiras passou recentemente por obras de remodelação, em adaptação a novas valências, inclusive com a implantação do Arquivo Municipal. Ampliando-se assim o edifício construído nos inícios da década de noventa e aberta ao público em Outubro de 1993. Transformando desse modo completamentre as condições, muito diferentes das antigas instalações, originariamente situadas num espaço  dos baixos da Câmara e depois no edifício Vila Baía, na então vila e depois cidade de Felgueiras.


Ora, porque por vezes aparecem opiniões que chegam ao público algo diferentes da realidade, e não vindo mal nenhum ao mundo em se recordar outros tempos, avivamos agora a memória de ocorrências passadas, para relembrar como era a biblioteca municipal noutras eras. Para o efeito, recolhemos para aqui matéria que veio publicada em 1979 no Suplemento d' O Primeiro de Janeiro, do Porto, em caderno intitulado PJ Terça, numa edição especial de 13 de Março daquele ano de 1979.

Sem necessidade de muita explicação, além do que fica exposto como enquadramento, repare-se no que veio então explícito em artigo referente à biblioteca...


Armando Pinto


((( Clicar sobre os recortes digitalizados, para ampliar )))

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Uma curiosidade: Desfile de moda... à Felgueiras!



Vídeo de um desfile em que a Elisabete (Felgueirense vencedora da Casa dos Segredos, da TVI) participou, há anos já, mais precisamente em 2009, enquanto jogadora da então equipa feminina do F. C. Felgueiras. Segundo suas palavras: "Heart emoticon. Sou a primeira, número 19" ...

Pois é, interessante. Isto a propósito de aqui, neste blogue, também há tempos termos mostrado orgulho em ser Felgueirense ("Je Suis Felgueiras"), em tudo o que represente Felgueiras. Sendo interessante ficar a conhecer situações em ocasiões diversas, de interesse felgueirense.

Armando Pinto

((( Clicar sobre a seta central, para acesso ao vídeo )))

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Carnaval da Longra - Felgueiras / 2015


Algumas imagens do Corso Carnavalesco, da tarde do dia de Entrudo, como é tradicional, do Carnaval da Vila da Longra.


Ora digam lá se este desfile não é algo especial ?!


Armando Pinto

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Carnaval, entre imagens ilustrativas da história da região da Longra…



Aproxima-se mais uma realização do tradicional Carnaval da Longra, sendo o Corso Carnavalesco que percorre a vila da Longra uma parte forte da folia felgueirense.

Porque as imagens falam por si, eis aqui alguns clichés que, em dois conjuntos rapsódico-fotográficos, mostram algumas curiosidades históricas, de antigas ocorrências na Longra, contando com a existência do Carnaval Longrino em lugar de realce no cartaz ilustrativo das ações populares.



Armando Pinto


((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Rádio com história…


Hoje, sexta-feira 13, é um dia indicado a várias dedicações: desde a tal sexta-feira 13, até a um outro tema que se diz dirigido aos encalhados; ou seja, é dia que pode ser de azar para uns e sorte para outros. Mas também é uma data atribuída em homenagem à rádio, como Dia Mundial da Rádio.

Esta dita efeméride, do Dia da Rádio, com efeito, celebra-se anualmente a 13 de Fevereiro, porque assim foi declarado pela UNESCO em 2011, com base numa proposta apresentada pela Academia Espanhola de La Radio. E celebrou-se pela primeira vez em 2012. Sendo esta data escolhida, como tal, derivado a que em 1946 a United Nations Radio emitiu pela primeira vez um programa, em simultâneo, para um grupo de seis países.

Ora, a rádio em tempos recuados foi um órgão primordial de difusão e entretenimento, como companhia diária de muitas pessoas, de ouvido atento ao que saía dos aparelhos das antigas galenas e posteriores transístores. Enquanto, hoje em dia, continua a ser um meio de comunicação social que atinge grandes audiências, como se sabe.

Diz-se e é verdade que a rádio acompanhou os principais acontecimentos históricos mundiais e atualmente continua a ser um elemento de comunicação fundamental. Este meio de comunicação social adaptou-se à era digital e continua a ser fiável para a população, que recebe a informação na hora, entre suas características positivas. Ganhando também novos campos de atenção desde que surgiram as rádios locais, quão representa para o volume concelhio a emissão da Rádio Felgueiras, por exemplo.


No meio desse universo radiofónico, consta no imaginário popular o quanto significou a existência das emissões radiofónicas ao longo dos tempos, desde eras dos rádios antigos, que praticamente faziam parte do mobiliário doméstico. Como tal, em homenagem a essa abrangência memorial, publicamos hoje, aqui e agora, em versões de enquadramento, uma imagem (acima) referente a um aparelho antigo com muita história. Tratando-se do rádio que pertenceu a um antigo pároco da freguesia do autor destas linhas, que durante muitos anos esteve em sua habitação e residência paroquial, como nos recordamos de o ver lá durante nossa infância e adolescência – o rádio do Padre João Ferreira da Silva, último pároco residente em Rande, paroquiando S. Tiago de Rande e S. João de Sernande. Rádio que após a morte do Padre João foi vendido e, anos volvidos, o autor deste blogue conseguiu adquirir e possui ainda, como recordação. Um aparelho que tem, portanto, largas dezenas de anos, mas sobretudo uma carga telúrica deveras afetiva.

Na abrangência do dia e ocasião, aproveitamos a pertinência, igualmente, para recordarmos um artigo sobre a Rádio Felgueiras, pois que também tem muita história já. Como aludimos então numa crónica que escrevemos há alguns anos e teve publicação no jornal Semanário de Felgueiras, corria o ano 2002, veja-se lá…


Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens e recortes digitalizados, para ampliar )))

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Sinal do Carnaval da Longra


Já se encontra ao cimo do poste central do Largo da Longra o tradicional boneco carnavalesco, a anunciar a chegada do Entrudo, quanto à realização próxima do carnaval da Longra.

Trata-se dum “macaco”, como por aqui o povo normalmente chama, feito de trapos e vestido com roupas velhas, que costuma ser posto no centro de confluência da região. Em sinal, afinal, como é, ao género de manifestação no calendário, de apresentação popular respetiva.

Esse boneco figurado, depois, irá ser o “defunto” queimado no fim de tudo, no encerramento do funeral do Entrudo e após ser lido o tradicional testamento, sendo então cremado “o dito cujo” na noite de Carnaval.

Em vista dessa sensação engraçada, colocamos aqui e agora a sua visualização, em panorâmica e mais de perto, para registo óbvio; e, ao mesmo tempo, para que (a quem não conhece ou não tenha possibilidades momentâneas de ver) possa haver ideia de tal essência, algo singular.



Armando Pinto

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

A propósito duma estátua...


Com o frio que tem estado, por estes dias, só ao sol de inverno duma tarde amena apetecerá estar assim, num banco de jardim, como a imagem mostra... Mas por outro lado até era apetecível aos olhos e sentidos haver assim uma estátua pelos nossos lados - onde não há quase nada do género, quer em largos, praças e até rotundas, normalmente apenas com árvoredo e pouco ou algo mais...

Ora,  virá a propósito um exercício mental, na pertinência duma visão cultural e monumental, assim. Senão mais, ficando ao menos a intenção. Nem que, como o aviador do conjunto imaginário, de estatuária, se fique a esperar sentado...

A estátua em apreço, na foto acima (da qual nada sabemos a não ser o que se vê), é aqui colocada obviamente como simples ideia que surge, qual exemplo duma possível quimera, simplesmente. Podendo contudo originar uma recordação.

Eventualmente, sendo no estrangeiro (como se nota pelo casario, de cariz alpino ou de lados próximos) poderá tratar-se duma homenagem a algum herói de guerra, que meteu ação aérea  de tempos antigos, talvez durante a II Grande Guerra. Mas, já que não acreditamos que aqui por Felgueiras alguém de direito faça tenções de fazer obras destas, ao menos isto dará para uma evocação: 

- Não houve em tempos um aviador, natural do concelho de Felgueiras, que teve autoria da 1ª travessia aéra entre Portugal e a Índia, em 1930? Sim,... mas podendo haver quem não tenha conhecimento, recorde-se, foi Francisco Sarmento Pimentel... nascido em Rande-Felgueiras, na Casa da Torre, como atesta uma lápide cravada na frontaria daquele solar. Pois então, não seria de um dia se lhe fazer uma homenagem concelhia, especialmente na cidade sede do concelho, com alguma edificação condigna que fique a perpetuar sua façanha e o facto de Felgueiras ter tal Felgueirense de sua naturalidade?!

Armando Pinto

((( Clicar sobre a imagem, para ampliar )))

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Feições Locais: Fita do Carnaval da Longra / 2015


Diz um rifão popular: “Cada terra com seu uso, cada roca com seu fuso”. Tal como, assim, se costuma dizer que cada terra tem seu uso, também pode haver em cada mesma terra algo particular que faça de fuso, como antigamente. Quão sugere o ditado popular, que todas as terras têm as suas próprias tradições ou costumes comuns adaptados à sua realidade. Dentro das formas da fisionomia que tornam esta região do sul felgueirense com um semblante muito próprio.

Ora, aí está: Nessas adaptações, conforme os contornos existenciais, pode e deve haver sempre alguma inovação que confirme a regra, de modo a tornar possível o que vem de trás. Tal o que se passa, presentemente, com a proximidade do afamado Carnaval da Longra. Assim sendo, então, mediante as dificuldades de custeamento, para continuar a tornar viável essa existência já tradicional, a organização do Carnaval Longrino para este ano resolveu inovar, e bem, com algumas iniciativas tendentes a ajudar aos custos. Tal o caso, entre outras “démarches”, de umas fitas que estão a circular, postas à venda pela população para o efeito, numa tentativa para conseguir alguma coisa possível, mais.

Louvando a ideia, e registando o facto, que será mais uma curiosidade para a história das feições locais e regionais, desta zona com muita história, deixamos aqui umas vistas da mesma fita, em imagens sugestivas, primeiro num enquadramento concelhio e por fim apenas  na sua essência visual.



Armando Pinto

((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Curiosidade sobre o comboio que passou na Longra…Felgueiras e Lixa.


Na linha do tratamento de assuntos locais, como é norma editorial deste espaço, quanto a vislumbres histórico-culturais, eis aqui, apenas como tal, uma nota sobre material que pertenceu à linha do comboio que passou na Longra…

Como se sabe, foi comemorado em 1914 o centenário do início da passagem pelo concelho de Felgueiras do comboio do Vale do Sousa, da chamada linha férrea de Penafiel à Lixa e Entre os Rios. E, entre as comemorações evocativas da chegada da primeira composição à Longra, a Felgueiras e à Lixa, houve algumas curiosidades então chegadas a público, embora não tanto como a ocasião merecia.

Visto isso, aproveita-se para recordar uma curiosidade que não temos visto publicada, de permeio a outras possíveis.

Ora, uma máquina locomotiva e alguns dos “vagons” que circularam por esta linha, a partir de 1914, haviam pertencido a uma célebre "Máquina" que percorrera a cidade do Porto entre 1878 até, precisamente, 1914.
Pois esse “maquinão” fora «o primeiro "metro de superfície" do país. Tratava-se de uma pequena locomotiva a vapor de dimensões urbanas, devidamente carroçada de forma a disfarçar o seu aspeto ferroviário, que puxava três ou quatro carruagens e circulava em carris pela via pública. Saía da rotunda (da Boavista, no Porto) e descia a avenida até à Fonte da Moura, onde infletia pela atual rua de Correia de Sá e seguia pela Ervilha até chegar a Cadouços (atual largo do Capitão Pinheiro Torres de Meireles) – onde existia uma estação. Daí prosseguia até ao Castelo do Queijo pelas ruas do Túnel e de Gondarém e entrava em Matosinhos pela rua de Roberto Ivens. Com o prolongamento da avenida da Boavista até ao castelo do Queijo em 1914, a Companhia Carris de Ferro do Porto decidiu substituir a "máquina" por carros elétricos que passaram a descer a avenida até ao mar, sendo a antiga linha desativada. O antigo material circulante foi vendido à empresa “Caminho de Ferro de Penafiel à Lixa e Entre-os-Rios”, continuando a funcionar durante anos...»

(Informação recolhida em “Porto Desaparecido”)

Armando Pinto

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Imagens históricas do tradicional Carnaval da Longra


Aproxima-se mais uma edição do cortejo folião e restantes números carnavalescos, que fazem do dia de Carnaval sempre um acontecimento apetecido da região.

Remonta já ao ano de 1997 o início organizativo do chamado Carnaval da Longra, desde que começou a ser organizado oficialmente o Corso Carnavalesco e o Enterro do Entrudo, na então povoação e depois vila da Longra. Primeiro através de organização da Direção e Grupos da Associação Casa do Povo da Longra, desde 1997 até 2003, e a partir de 2004, já com a Longra como vila, incluindo então parceria com as Juntas das freguesias da mesma vila.

Desse assim já tradicional evento, que vai portanto nos seus 19 anos de organização consecutiva, recordamos aqui alguns momentos de seus primeiros anos, através de imagens que fizeram história e lhe dão aquele cunho folgazão, constante das memórias etnográficas do acontecimento tão lembrado.


Armando Pinto

((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Coisas nossas, de Felgueiras... e à Porto!


Refleti eu ainda há dias, na mais recente crónica escrita no jornal Semanário de Felgueiras, sobre o que nos faz sentir Felgueirenses, a propósito da tal máxima “Je suis”, referindo que até valorizamos a presença duma moça felgueirense na televisiva Casa dos Segredos. 

Assim, aflorou-se, naquele espaço jornalístico: “Tanto que quando surge, para além do horizonte daquém de nossos montes, vulgo fora de portas ou até ao longe, qualquer coisa que seja de Felgueiras, logo afilamos as atenções. Como aconteceu quando se soube que estava uma felgueirense num programa televisivo, daqueles ditos de vida real, vulgarmente chamados “Reality shows”, de causar audiências ao nível de canais televisivos do espaço portuga. E, mesmo entre quem não seguisse aquele espetáculo diário de pessoas à procura de fama, na ideia de possibilidade dum futuro publicitado, houve mais mediatização no resultado e foi interessante saber-se que a vencedora foi essa felgueirense. O que, afinal de contas, desta feita alterou a tendência, visto tal conterrânea concelhia ter levado o nome de Felgueiras bem longe, por motivos mais sociáveis.”

Apenas sabíamos então que essa jovem, concorrente ao referido programa da TVI, era uma simpática felgueirense. Por sinal bonita, mas que não conhecemos pessoalmente, por nunca a termos  visto, que nos lembre. Mesmo porque a sua localidade de residência, segundo ouvimos, é na povoação da  Serrinha, da freguesia de Santão, num extremo do concelho de Felgueiras, ainda relativamente distante da Longra, portanto. Soubemos agora que também é Portista. O que até parece que adivinhávamos, sabendo que as mulheres mais bonitas, aqui para o autor destas linhas, são Portistas. Como relacionamos ao caso da Elisabete Moutinho. Ah, da qual até o nome, logo fazendo lembrar a maçã madura do João Moutinho, é à Porto!

Não nos interessa, para o caso, nada mais, nem sequer em relação à parte promocional. Tão só nos detemos no facto em si.

Ora, por imagens captadas na Internet, soubemos que a Elisabete Moutinho esteve no estádio do Dragão, a assistir ao jogo da equipa principal do F C Porto neste domingo dia primeiro de Fevereiro. Motivo que, com a devida vénia, das postagens colocadas na sua página oficial do facebook, nos leva, com orgulho e honra, a colocar aqui uma alusiva "reportagem " visual dessa sua presença no local dos sonhos, como uma das nossas – tal é agora conhecida essa adepta Portista e Felgueirense!

Armando Pinto