sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Homenagem Felgueirense… em mais um artigo no Semanário de Felgueiras.

 

Associando-nos a uma homenagem de cariz felgueirense, levada a efeito pela Câmara Municipal de Felgueiras, marcamos presença por este meio, também, no sentido da valorização que merecem atos destes. Tal qual se espera que igual tratamento venha ainda a acontecer para com a memória do autor da Casa das Torres (Luís Gonçalves, recorde-se), cuja homenagem por que pugnamos ainda se não realizou como deve ser…

 

Ora, para já, reservou o atual executivo municipal, para esta altura, uma homenagem pública a um cidadão felgueirense que se distinguiu em sua função ao longo da vida, num reconhecimento também derivado na proximidade de recente conta aniversária significativa, por ter completado 100 anos esse felgueirense que é o Sargento Músico Manuel Ribeiro da Silva. Aliando-nos a esse reconhecimento, escrevemos então um pequeno artigo de complemento à informação oficial alusiva. 

Desse escrito, mais um dos que lavramos para o Semanário de Felgueiras, na habitual crónica, desta vez sobre a vida e obra do homenageado em apreço, coincidindo com o dia da homenagem respetiva - partilhamos a respetiva coluna. Quanto ao que é publicado hoje no Semanário de Felgueiras, à página 12 da edição impressa desta sexta-feira 22 de Fevereiro. 


(Clicar sobre este recorte digitalizado, para ampliar e ler) 

Do mesmo, para fácil leitura, colocamos o texto revertido conforme o original:

Homenagem ao maestro felgueirense Manuel Ribeiro da Silva 

Vai Felgueiras, através da representatividade autárquica, prestar agora uma justa homenagem a um dos seus ilustres filhos, o maestro Manuel Ribeiro da Silva.

 

Tão justo reconhecimento será consagrado pela Câmara de Felgueiras, com a atribuição da Medalha de Mérito Municipal. Numa cerimónia a decorrer nos paços do concelho, esta sexta-feira (dia da publicação da presente edição do S F), com honrosa presença de D. António Taipa, Bispo Auxiliar do Porto. 

Diz um texto oficial alusivo ao significado da ação em apreço, que «a condecoração surge no âmbito de proposta, apresentada na última reunião de Câmara, e tem como objetivo reconhecer publicamente uma pessoa ligada à cultura que, através do seu mérito, levou o nome de Felgueiras mais longe. Nascido há 100 anos, em Felgueiras, Manuel Ribeiro da Silva fez um percurso notável enquanto instrumentista, maestro e compositor, demonstrando sempre um grande talento e profissionalismo. Concluiu a sua carreira militar como Sargento Ajudante Músico. Notabilizou-se como compositor, sendo de sua autoria várias marchas militares, rapsódias e números ligeiros que ainda hoje são tocados por inúmeras bandas filarmónicas de Portugal.» 

Tão apreciado currículo merece mais ser completado diante de algumas facetas e distinções de sua vida e obra, a começar por ter sido de sua lavra a autoria da versão final do Hino-Marcha dos Bombeiros de Felgueiras. Com efeito, ao tempo, esse professor de música e compositor, em virtude de haver colaborado (com Aniceto Ferreira) na partitura inicial do referido hino e mais tarde por ter feito os arranjos definitivos daquela mesma peça dedicada à corporação dos BVF, teve direito a figurar na exposição comemorativa do centenário dos Bombeiros felgueirenses, com a marcha “Bombeiros Voluntários de Felgueiras”, de sua autoria, para Clarim e Banda em conjunto.

 
= Partitura do Hino dos BVF - Marcha com clarins...= 

Nascido a 2 de Fevereiro de 1913, em Margaride, iniciou sua aprendizagem musical pela idade escolar, aos 7 anos, com Aniceto Pinto Ferreira; enquanto logo aos 10 anos ingressou na Banda de Música de Felgueiras como executante em Sax-Trompa; e pouco depois em Trompete. Posteriormente deu rumo à sua vida ao ingressar na carreira militar como voluntário, aos 17 anos, tendo assentado praça no Regimento de Penafiel, na classe de aprendiz de música da banda daquela unidade, onde depressa progrediu. Assim, aos 18 anos foi promovido a 1ºcabo músico, aos 20 ascendeu a furriel músico, aos 22 a 2º Sargento, aos 24 a 1º Sargento músico e, finalmente, promovido a Sargento ajudante músico-Subchefe de Banda Militar. Entretanto foi 1º Trombone em várias Companhias Internacionais de Ópera e Zarzuela, na cidade do Porto. Até que em 1960 pediu a sua aposentação do Exército. 

Na Orquestra Sinfónica do Porto desempenhou lugar de 1º Trombone durante 33 anos, desde a sua respetiva fundação em 21/6/1948 até Abril de 1981, tendo executado muitos concertos (nas suas palavras, em informação a um jornal felgueirense, cerca de 1.700). Em cujas andanças teve contactos e atuou sob regências de afamados homens da música, tais como Ino Savini, Padre Luís Rodrigues, Markewitch, Dobrowem, Klemperer, Pedro de Freitas Branco, Silva Pereira, Gunter Gamba, Álvaro Cassuto, José Atalaia, etc. Havendo ainda atuado com a mesma orquestra em 19 temporadas internacionais de ballet nos mais importantes teatros de Lisboa e Porto. Como compositor, escreveu cerca de 35 marchas militares e de concerto, algumas das quais premiadas em concursos, como: Lutar e Vencer-1º prémio; Desfilando e Região Militar de Lisboa-2. ºs prémios; mais 7 rapsódias populares executadas de Norte a Sul de Portugal e no estrangeiro; bem como cerca de 40 números ligeiros, hinos, arranjos e outros. Tal como teve também 3 prémios em concursos de Marchas de S. João no Porto. Sendo de referir, por fim, que suas obras se encontram registadas na Sociedade Portuguesa de Autores, das quais algumas foram inclusive gravadas em discos de vinil, casssetes e CD’s. 

 

 Armando Pinto 

 »»»»» Clicar sobre as digitalizações, para ampliar «««««


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Artigo no SF: Sobre tempo da Quaresma, nas recordações das Candeias e Cinzas…

 

Passado o ambiente Carnavalesco, lembramos a imediata e presente quadra da Quaresma. Após os festejos do Carnaval que tiveram na Longra, mais uma vez, um dos seus expoentes, como é já tradição, realizado que foi desta feita pelo 17º ano consecutivo, como organização oficial do Corso de Carnaval Longrino. Curiosamente com a atual organização a teimar em atrasar um ano as suas contas, sabendo-se que tal desfile começou em 1997 e, como tal, esse primeiro ano também conta na soma das edições entretanto concretizadas. E como, aliás, a ideia e a respetiva concretização dessa 1ª vez foi da mesma autoria das organizações dos pioneiros anos seguintes, nem se entende essa teimosia ou então desconhecimento dos factos históricos. 

Posto isso, passamos ao tema da época quaresmal vigente, que serviu de mote a mais um artigo publicista, na crónica que escrevemos e foi publicada no Semanário de Felgueiras. De onde partilhamos aqui a respetiva coluna, do que está no mais recente número do mesmo jornal S F, à página 12 da edição impressa desta sexta-feira 15 de Fevereiro.

  
(Clicar sobre este recorte digitalizado, para ampliar) 

Do mesmo, para mais fácil leitura, colocamos o texto conforme o original: 

Na Quaresma do tempo… 

Chegado Fevereiro, no mando da tradição com tempo até muito próprio, pois sendo “chuvoso faz o ano formoso”, o ambiente cinzento do panorama ambiental mistura-se com a época de trevas quaresmais, após o Carnaval. Começado que foi o mês logo pela conta das Candeias, na passagem do dia de Nossa Senhora das Candeias. Como tradicionalmente se designa essa data litúrgica da apresentação do Senhor ou da Purificação de Nossa Senhora. Uma época que, devido ao Carnaval ser uma festividade de data móvel, calhando tanto no início, como a meio ou final do mês, se confunde com essa fase, derivada como terá sido de festividades populares de tempos recuados. Sabendo-se disso por se haverem realizado durante a romanização as Lupercais, antes das Calendas de Março, celebradas em honra de Pan, deus dos pastores - relacionando-se a denominação com Lupercus (do latino lobo). Ora esta festa anual estava associada a orgias e outras boémias, durante a quadra do entrudo, pelo que o Papa Gelásio instituiu, em sua substituição, a festa da Purificação ou da Candelária. Não tendo sido, porém, completamente extintos os festejos com os desmandos abusivos do Carnaval, passou depois essa festa religiosa a cingir-se ao dia, como ficou mais conhecido, de Nª Sª das Candeias. 

Na importância dada à ocasião, está associado um velho ditote popular, afiançando: Em dia das Candeias “se (havendo dia chuvoso) Nossa Senhora estiver a chorar, está o inverno a acabar; se (perante tempo de sol) estiver a rir, está o inverno p’ra vir”, diz a voz popular. Isto segundo o calendário rifoneiro, das fases descritas através de rifões com que a sabedoria popular impregnou os elementos naturais do quotidiano social. 

Passados dias das Candeias e Carnaval, chega o tempo da Quaresma, iniciado na quarta-feira de cinzas. E eis-nos então neste período que, pese tantas transformações operadas na vida normal da sociedade comum e com a religiosidade a ficar algo aquém de antigos hábitos, permanece na memória duma época de afeições, dum tempo romântico aos olhos de nossas recordações. Tal as lembranças que afloram, ao autor destas linhas, sobre tempos da missa das Candeias mais a das Cinzas e, por extensão, do afago de nossa mãe… 

Um destes dias, numa daquelas ocasiões em que nos deixamos levar por pensamentos, nas asas do tempo – em devaneios, até que… zás! – demos connosco a pensar em tempos de infância, quando ia pela mão de minha mãe à igreja e à sua beira ficava, lá no meio, enquanto ela me sussurrava ao ouvido orações, que me entravam com encanto no mais íntimo do ser. Ali, com ela a rodear-me em seus braços, enquanto me ensinava a orar – além de assim, também, me ter à sua beira, para não estar junto aos outros moços, alguns por acaso normal sempre com os sentidos noutros lados e modos. E dei comigo a experimentar como sinto falta, agora, de me achar bem junto à minha mãe, de como tenho saudades dela. Já passaram muitos anos, desde que perdemos sua presença física. Mas parece que foi ontem ainda que nos sentíamos abraçados no encosto de seus sussurros carinhosos, ali na igreja, como nos ensinamentos de vida que nos foi dando. E lá veio à mente as missas das candeias e das cinzas, por serem dum tempo marcante, decorrendo o inverno, como agora. Íamos logo pela manhã cedo, com o corpo a tentar espantar o frio, ainda a noite dominava o horizonte de breu, perante o caminho alumiado por lanternas, tal a escuridão (também coisa que volta ao panorama, nos dias que correm com as poupanças atuais em luz pública, enquanto nas altas esferas do poder continua um forrobodó…); e, então naquele tempo, chegados ao templo, resplandecia um ambiente de luz das muitas velas e lâmpadas espalhadas, mais um odor de incenso que se elevava no ar. Ficando-nos, para sempre, na retina memorial, essas manhãs, em tais dias, daqueles que tivemos nossa mãe a envolver-nos… ternamente. E, no caso das Candeias, aflorando o caso do dito popular, até parecendo, apesar da penumbra do alvorecer da manhã, sem ter rompido ainda o sol, que nossa senhora sorria…! 

Armando Pinto

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Carnaval da Longra – Felgueiras / 2013!


Pela 17ª vez, em dezassete anos consecutivos, realizou-se mais uma vez, este ano, o tradicional Carnaval da Longra. Corso Carnavalesco, este, que tem sido organizado oficialmente desde 1997: primeiro através de organização da Direção da Associação Casa do Povo da Longra, depois do Grupo de Teatro e do Rancho da mesma Associação, e, por fim, após a Longra ter passado a vila, desde 2004 tem havido realização em parceria conjunta de algumas Juntas de freguesia da área da vila e outras organizações sócio-culturais.


Sem necessidade de muita legendagem literária, pois as imagens praticamente falam por si, bem como da importância que este cortejo já detém; e continuando sempre com a ideia de registo; guardam-se aqui e agora algumas fotos do mesmo desfile, na versão de 2013.

















Armando Pinto 

© == Direitos da autoria deste blogue == 

»»»»» Clicar sobre as imagens, para ampliar «««««

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Memórias e tradições do dia das Candeias


Candeias do Tempo…! 

Chegado Fevereiro, no mando da tradição com tempo até muito próprio, pois sendo “chuvoso faz o ano formoso”, logo entra a conta das Candeias, a 2 de Fevereiro, na passagem do dia de Nossa Senhora das Candeias. Como tradicionalmente se designa essa data litúrgica da apresentação do Senhor ou da Purificação de Nossa Senhora Mãe de Deus.

Uma época que, devido ao Carnaval ser uma festividade de data móvel, calhando tanto no início, como a meio ou final do mês, se confunde com essa fase, derivada como terá sido de festividades populares de tempos recuados. Sabendo-se disso por se haverem realizado durante a romanização as Lupercais, antes das Calendas de Março, celebradas em honra de Pan, deus dos pastores - relacionando-se a denominação com Lupercus (do latino lobo). Ora esta festa anual estava associada a orgias e outras boémias, pelo que o Papa Gelásio instituiu, em sua substituição, a festa da Purificação ou da Candelária. Não tendo sido, porém, completamente extintos os festejos com os desmandos abusivos do Carnaval, passou depois essa festa religiosa a cingir-se ao dia, como ficou mais conhecido, de Nossa Senhora das Candeias. 

Em dia das Candeias “se (havendo dia chuvoso) Nossa Senhora está a chorar, está o inverno a acabar; se (perante tempo de sol) estiver a rir, está o inverno p’ra vir”, diz a voz popular. Isto segundo o calendário rifoneiro, das fases descritas através de rifões com que a sabedoria popular impregnou os elementos naturais do quotidiano social.

= Nossa Senhora das Candeias ou Rainha da Paz – como em Rande está representada na estatuária paroquial (vendo-se a imagem de Nª Senhora sobre andor, aquando de procissão da festa de S. Tiago de Rande).= 

Eis-nos então neste tempo, de início de Fevereiro e em plena Candelária. As candeias, que, pese tantas transformações operadas na vida normal da sociedade comum e com a religiosidade a ficar algo aquém de antigos hábitos, permanece na memória duma época de afeições, dum tempo romântico aos olhos de nossas recordações. Tal as lembranças que afloram, ao autor destas linhas, sobre tempos da missa das Candeias e, por extensão, do afago de nossa mãe… 

Um destes dias, numa daquelas ocasiões em que nos deixamos levar por pensamentos, nas asas do tempo – em devaneios, até que… zás! – demos connosco a pensar em tempos de infância, quando ia pela mão de minha mãe à igreja e à sua beira ficava, lá no meio, enquanto ela me sussurrava ao ouvido orações, que me entravam com encanto no mais íntimo do ser. Ali, com ela a rodear-me em seus braços, enquanto me ensinava a orar – além de assim, também, me ter à sua beira, para não estar junto aos outros moços, alguns por acaso normal sempre com os sentidos noutros lados e modos. E dei comigo a experimentar como sinto falta, agora, de me achar bem junto à minha mãe, de como tenho saudades dela. Já passaram muitos anos, coisa de um quarto de século, desde que perdemos sua presença física. Mas parece que foi ontem ainda que nos sentíamos abraçados no encosto de seus sussurros carinhosos, ali na igreja, como nos ensinamentos de vida que nos foi dando. E lá veio à mente a missa das candeias, por ser dum tempo marcante, decorrendo o inverno, como agora. Íamos logo pela manhã cedo, com o corpo a tentar espantar o frio, ainda a noite dominava o horizonte de breu, perante o caminho alumiado por lanternas, tal a escuridão (também coisa que volta ao panorama, nos dias que correm com as poupanças atuais em luz pública, enquanto nas altas esfera do poder continua um forrobodó…); e, então naquele tempo, chegados ao templo, resplandecia um ambiente de luz das muitas velas e lâmpadas espalhadas, mais um odor de incenso que se elevava no ar. Ficando-nos, para sempre, na retina memorial, essas manhãs das Candeias, em tais dias, daqueles que tivemos nossa mãe a envolver-nos… ternamente. E, até parecendo, apesar da penumbra do alvorecer da manhã, sem ter rompido ainda o sol, que nossa senhora sorria…! 

© Armando Pinto