quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Sessão evocativa dedicada ao ilustre felgueirense Francisco Sarmento Pimentel


Perante apreciável moldura humana e numa sessão interessante, decorreu na noite de terça-feira, 30 de Julho, uma homenagem ao felgueirense Francisco Sarmento Pimentel. Com lugar num ídilico ambiente integrante da Casa da Torre, em Rande-Felgueiras, onde nasceu o heróico aviador de façanha pioneira como foi a travessia aérea de Portugal até à Índia então portuguesa, realizada em 1930.


O acontecimento, através dum colóquio evocativo sobre o personagem em apreço, incidindo na preservação memorial daquele aviador felgueirense, foi materializado numa organização da Câmara Municipal de Felgueiras, em parceria com a Junta de Freguesia de Rande e a família do homenageado, na pessoa dos atuais proprietários do solar que é a casa-mãe da família Sarmento Pimentel.


Nesse sentido, composta a mesa da sessão, com as entidades responsáveis, e com Gonçalo Magalhães a dirigir as iniciais apresentações, na presença de convidados e muitos assistentes que compunham o aprazível espaço, foram as honras da casa feitas por D. Teresa Sarmento Pimentel, que primeiro usou da palavra abrindo o ato. Seguiu-se uma intervenção de seu irmão, Dr. João Pedro Sarmento Pimentel, numa muito bem conseguida apresentação de antecedentes históricos, como enquadramento, até ao motivo da homenagem, perfazendo uma outra viagem de apreço, pelo tempo que soube percorrer, através de oratória esclarecida e por meio de exibição de apresentação visual em ecrã apropriado, ao género de powerpoint, abarcando conhecimentos sobre o homenageado seu tio-avô, cuja alocução prendeu as atenções.


Depois, como durante a palestra já haviam sido referenciados diversos pontos da biografia do homenageado, segundo o que está no livro Memorial Histórico de Rande e Alfozes de Felgueiras, de Armando Pinto, como foi referido por diversos participantes, o colóquio foi enriquecido com uma explanação duma historiadora natural de Goa, Dr.ª Maria de Lourdes Bravo, a qual dissertou num ponto de vista da chegada à Índia da travessia aérea efetuada pelo piloto-aviador Francisco Pimentel e seu companheiro Moreira Cardoso, segundo estudos e pesquisas que fez sobre a façanha dos dois aeronautas que ligaram pelo ar Portugal e a India.


A sessão teve encerramento com um agradecimento geral do presidente da Junta de Rande, Pedro Ribeiro, e uma dissertação deveras sentida pelo presidente da Câmara Municipal, Dr. Inácio Ribeiro, que aludiu os diversos aspetos respeitantes à homenagem e extensivas afetividades associadas. 

Como fundo ambiental dum sarau bem preenchido, houve vários momentos musicais e de declamação de poesias alusivas ao tema.

Armando Pinto 
-----» Clicar sobre as imagens fotográficas, para ampliar «-----

~~ *** ~~

A propósito, havia anteriores referências que fizemos a Francisco Sarmento Pimentel e sua 1ª Viagem Aérea de Portugal à Índia, na blogosfera, num dos nossos espaços da Internet (antigo blogue "Lôngara"), em artigos sib títulos

- Octogenário da 1ª Travessia Aérea Portugal-Índia
e

- Ligação Filatélica in Longra-Felgueiras

que entretanto foram elimiminados do espaço informático da internet, por violação cibernautica (de gente sem escrúpulos que não sendo capaz der fazer pela escrita escorreita algo de jeito, tentam estragar o que outros fazem...)!

A. P. 

3 comentários:

  1. Felgueiras, terra de gente ilustre foi inundada nestas ultimas décadas da cultura do balofo e do euro que muito prejudicou a sua HISTÓRIA, as suas raízes e o seu enorme tamanho de antanho. Esta Missão foi fruto de uma visita que fiz a Goa, Damão e Diu na qualidade de Vice-presidente da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura Recreio e Desporto e de responsável Mundial da Diáspora Lusa, sendo surpreendido pela DRª Lourdes Bravo que imediatamente Convidei para que visitasse Felgueiras, o que veio a acontecer,da mesma forma que inclui nas Jornadas Europeias do Património a CASA DO SEIXOSO e a ilustre familia Cerqueira Magro e claro outros vultos surgirão com toda a certeza. Precisamos de "mergulhar" urgentemente no passado para que possamos olhar o futuro com orgulho raça e querer. Coragem? Precisa-se.
    António Bessa Carvalho

    ResponderExcluir
  2. Viva amigo Dr. Bessa carvalho.
    Totalmente de acordo consigo, louvo todo o empenho que põe em tudo o que seja e é cultura felgueirense.
    Naturalmente que eu sabia de ter estado na base deste acontecimento, mas como entenderá não me cabia rebater a informação oficial quanto à realização. Aliás, quando eu soube que ia à Índia, há coisa de um ano, lembra-se, apressei-me logo a dar-lhe conta deste caso, pois temia que a histórica viagem aérea pioneira de Portugal até à Índia Portuguesa estivesse lá deveras esquecida; depois de tudo o que se passou aquando da anexação indiana. Pois em tempos fui contactado pela Fundação Oriente para oferecer o meu livro da história da minha região, em virtude de ter havido eco de eu ter feito a biografia de Francisco Pimentel e narrado a travessia, coisa que lá diziam ser praticamente desconhecida.
    Felizmente, segundo se constata, há essa senhora historiadora, D. Lurdes, que está a fazer com que a memória dessa façanha seja preservada e levada ao conhecimento atual em terras indianas, apercebendo-me do seu belo trabalho. Bem haja.

    ResponderExcluir
  3. Está de Parabéns o Dr. Bessa Carvalho que organizou um serão muito agradável, emotivo, instrutivo, lúdico onde não faltaram a amizade, o entusiasmo e umas relações humanas intensas. Adorei todos os discursos que se pronunciaram nomeadamente a palestra sobre a trajetória da família Pimentel e as palavras tão alentadoras para a gente de cultura, do Presidente da Câmara de Filgueiras, Inácio Ribeiro, na defesa das raízes históricas e na procura do que verdadeiramente somos os seres humanos, produto da história e do entorno no que crescemos, nos educamos e vivemos.
    Parabéns mais uma vez e todo o meu apoio a este tipo de actos culturais onde também devemos estar presentes aquelas pessoas da Galiza que amamos por acima de tudo a nossa terra, prolongação de terras portuguesas, e para além da nossa, as terras da antiga Gallaecia e da Lusitânia!
    Bem haja aqueles que ajudam coma sua colaboração e quefazeres quotidianos a aproximar cada vez mais as gentes a e cultura comum!
    Manuela Ribeira

    ResponderExcluir