domingo, 20 de dezembro de 2015

Boletim Paroquial de S. Tiago de Rande / 2015 – Ano 11 – nº 11


Já está em casa, nas caixas de correio e / ou em mãos das pessoas de Rande, o Boletim Paroquial relativo à anuidade de 2015 da Paróquia de S. Tiago de Rande. Distribuído que foi durante este fim de semana antecedente ao Natal.

Passou assim este meio de comunicação local a ficar na posse e diante dos olhos dos paroquianos desta freguesia do concelho de Felgueiras, no que concerne à parte paroquial.

Para que o mesmo periódico anual possa também ser do conhecimento de pessoas que vivem longe, tal neste período estejam ausentes, dá-se conhecimento deste número atual, por este meio - colocando-se aqui a reprodução das respetivas páginas impressas…



((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

… e, de modo a facilitar a leitura neste suporte da internet, publicamos também o original texto que escrevemos, para o efeito.

Paróquia de S. Tiago de Rande
Boletim Informativo do Conselho Económico – Ano 11 – N.º 11 – Dezembro de 2015

Apresentação

Mais um ano é passado, numa etapa mais da vivência que temos a felicidade de poder comparticipar. Num tempo em que os valores da vida ganham contornos marcantes, na cultura existencial. Em cuja ordem se insere a mensagem que anualmente traz este nosso boletim paroquial, já de forte tradição como comunicação coletiva.

Mantendo-se os pressupostos da caminhada que temos vindo a compartilhar, abre-se nova página, dum ano para outro, ao virar do boletim anterior para este, na sequência do que tem sido partilhado ao longo da publicação dos sucessivos boletins paroquiais. Como quem passa uma porta para uma nova visão. Tal como se abriu este ano a porta santa de início ao período jubilar em curso, no começo do Ano Santo que vivemos agora, dedicado à Misericórdia.

Como disse o Bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos, na abertura solene da porta jubilar diocesana, «através desta Porta Santa irradia diariamente a Alegria do Evangelho, que o Papa Francisco nos convida a levar ao coração de todos, para que sejamos: “Misericordiosos como o Pai” (lema do Jubileu da Misericórdia)».

Enquanto isso, entre nós, é ainda tempo de balanço, ao expirar do ano civil. Havendo passado mais uma etapa cronológica na nossa caminhada terrena. Neste período em que estamos a viver a celebração do Natal, qual comemoração da vinda d’Aquele que nos proporciona alegria vital. Prestes a chegar, por ora, a época das Janeiras e canto dos Reis, da costumada visita duma representação paroquial a cantar votos de Boas Festas de casa em casa dos paroquianos, na linha dos bons costumes que dos nossos antepassados já vem.

Assim sendo, voltamos por este meio também à presença de toda a comunidade, através da concretização deste meio de comunicação que nos une. Na ideia de fortalecimento coletivo. Porque uma mensagem escrita perdura mais que uma simples transmissão oral. Tal como (fazendo-se um género de parêntese, ao tema) refletiu um dia José Luis Borges, escritor em tempos laureado com o Nobel da literatura, dizendo que sempre imaginara o paraíso como sendo uma espécie de livraria. Pelo conhecimento que provocará (deduzimos nós)  e sobretudo pelo que encerra.

Ora, tal como tem sido norma, entre o acolhimento devido ao espírito natalício, damos assim mais razão ao sentido paroquial, na convivência escrita com a comunidade paroquial por este meio, vindo irmanados até junto de todos os paroquianos, novamente, por via deste boletim – no habitual sentido informativo e de apelo comunitário. 


 Ano Santo da Misericórdia

Na sequência da referência supra citada de abertura da porta santa, será de reter que para o período final deste ano de 2015 e durante grande parte de 2016, o Papa Francisco convocou um Jubileu Extraordinário, com ênfase na Misericórdia, destinado a decorrer de 8 de Dezembro de 2015 até 20 de Novembro de 2016. A convocação foi feita por meio da Bula Misericordiae Vultus. Então, no dia 8 de Dezembro foi aberta a Porta Santa na Basílica de São Pedro, no Vaticano; e seguidamente houve abertura simbólica de portas principais em basílicas de todas as dioceses e em igrejas consideradas jubilares de cada diocese e vigararias. Sendo o templo do santuário de Santa Quitéria e a igreja matriz de Margaride, no nosso caso, as igrejas de Felgueiras reconhecidas nessa categoria diocesana.

O Papa Francisco decidiu proclamar este “jubileu extraordinário”, centrado na “misericórdia de Deus”, como  Ano Santo da Misericórdia, para ser vivido «à luz da palavra do Senhor: ‘Sede misericordiosos como o Pai’ e isto especialmente para os confessores” – conforme as próprias palavras do Santo Padre. Cuja iniciativa nasceu da sua intenção de tornar “mais evidente” a missão da Igreja de ser “testemunha da misericórdia”.

O Papa defende assim que “ninguém pode ser excluído da misericórdia de Deus” e que a Igreja “é a casa que acolhe todos e não recusa ninguém”. “As suas portas estão escancaradas para que todos os que são tocados pela graça possam encontrar a certeza do perdão. Quanto maior é o pecado, maior deve ser o amor que a Igreja manifesta aos que se convertem”.

Este é o 29.º jubileu na história da Igreja Católica, um Ano Santo extraordinário, começado na solenidade da Imaculada Conceição, para se alongar até novembro de 2016, ao domingo de Jesus Cristo Rei do Universo, “rosto vivo da misericórdia do Pai”, explicou o Papa. “É um caminho que começa com uma conversão espiritual e temos de seguir por este caminho”.

A porta identificativa do Ano Santo, sendo naturalmente simbólica, representa uma passagem de redenção. Pois Jesus é evangelicamente a porta da via da salvação. Nesse prisma, quem passar uma porta santa nas devidas condições, durante o Jubileu, receberá graças de indulgências plenárias.

No percurso da tradição católica, o Jubileu é ano em que a Igreja  exorta os fieis à reconciliação por meio da penitência, oração, dos sacramentos, da peregrinação e obras de misericórdia.

Actividades principais decorridas na Paróquia:

Durante o ano corrente, agora quase a chegar ao fim, foram levadas a cabo diversas realizações que fazem parte da vida pastoral e vivência paroquial, desde as celebrações de Natal e campanha dos Cantares de Reis; festas dos idosos, da Conferência Vicentina; Via-sacra inter-paroquial;  Compasso Pascal; Procissão de velas do Mês de Maria (no dia comemorativo do aniversário do Nicho de Rande); Festa Paroquial de S. Tiago; Passeio de Convívio; Magusto e Convívio Paroquial; atividades da Catequese; trabalho dos grupos de Jovens, Acólitos e Leitores, etc. até ao Presépio na igreja (este ano construído por elementos do grupo de acólitos).

Entre essas realizações, além de outras que têm sido destacadas em anos anteriores, realçamos aqui algumas por diversos atributos acrescidos, como:

Campanha dos cantares de Janeiras e Reis, durante as primeiras semanas de Janeiro, pelas casas dos paroquianos. Com a particularidade de neste ano de 2015 ter havido receção na sede da Junta de Freguesia. Tendo finalizado mais uma vez em salutar convívio final da união do grupo de cantores e tocadores partipantes. 

- Ida dos Acólitos a Fátima, em 1 de Maio.
- Compromisso e Renovação dos Acólitos no Dia do Corpo de Deus, com a bênção do seu Patrono Beato Francisco Marto.
- Caminhada solidária, englobando Rande, Sernande e Idães (numa interessante iniciativa conjunta destas paróquias atualmente com o mesmo pároco comum), que resultou numa romagem até ao alto do monte de São Bento das Pêras (Vizela), onde foi celebrada missa campal para os presentes, na tarde desse domingo 12 de Julho.
- Festa Paroquial, no fim de semana do dia litúrgico de S. Tiago, com a tradicional missa de festa  e procissão, no próprio dia 25 de Julho.
- Passeio interparoquial, com paroquianos e amigos de S. Tiago de Rande, S. João de Sernande e Santa Maria de Idães, novamente de parceria com a Junta da União das freguesias, mais animação dos grupos da Casa do Povo da Longra. Excursão essa cujo itinerário teve destino até ao santuário de Nossa Senhora de Vagos (Aveiro). Onde, no seu recinto frondoso, houve lugar a convivência inicial através de missa campal e seguintes momentos de lazer, sem esquecer obviamente a refeição do farnel de cada família, em partilha e convívio pela tarde adiante. De referir que o produto do ofertório realizado durante a celebração da missa foi entregue ao santuário, como oferta reconhecida pelo acolhimento recebido.
- Festas da formação de catequese global, desde o Acolhimento ao Crisma.
- Magusto de Convívio Paroquial – a 22 de Novembro. Mais uma vez incluído em mega-almoço, realizado sob ampla tenda montada no adro fronteiro à igreja, contando com assinalável participação de paroquianos e amigos, além da presença dos senhores Presidentes da Câmara de Felgueiras e da Junta da união de freguesias respetivas.
- Mais as festividades das campanhas da Quaresma, da venda de bolos, feirinhas, convívios de grupos (sendo de realçar o convívio da catequese que este ano teve lugar em Sernande), a campanha do Advento, etc.

Obras e ações realizadas:

- Trabalhos regulares de limpeza e conservação de espaços da comunidade, entre o que pertence à igreja e sítios adjacentes. Atendendo a ser ocorrências que normalmente se não vêm, mas se vão fazendo e com gosto decorrente.     
- Restauro de todas as portas da igreja paroquial (principal, lateral, da sacristia e do coro).

Plano de Obras e realizações futuras:

- Colocação duma vedação apropriada para delimitação do terreno do campo do passal.
- Projeto de arquitetura, em esboço de futuras obras, para o que for viável fazer nas ruínas, junto à casa da residência paroquial. Ou seja, estudo para possíveis obras de recuperação e adaptação das paredes que restam de antiga construção, ao lado do adro e residência (normalmente conhecidas por ruínas). Para antever, planear e decidir como será melhor fazer-se, quanto às necessidade e mediante as possibilidades.
- Finalização da legalização de todo o património existente na paróquia de Rande, de forma a que tudo fique devidamente escriturado e registado, desde a igreja, residência, mais anexos e terrenos – agora que já há mais elementos correspondentes, para o efeito.

Próxima Campanha do Cantar de Janeiras e Reis: Dezembro / Janeiro, segundo calendário e itinerário anunciados oportunamente (em aviso lido no fim da missa e edital público afixado no quadro-expositor do adro).

Conclusão:

Perante a exposição colocada aqui publicamente, diante da consciência da comunidade, torna-se evidente que devemos continuar sempre interessados e unidos pelo mesmo objetivo e equilíbrio comum, em prol da nossa paróquia.

Por isso, contamos com correspondente resposta, naturalmente através de colaborante contributo. 

Vivemos na época presente a tão terna quadra natalícia, na celebração da vinda de Jesus para ser Deus connosco. Propiciando motivação de abertura à vida, numa plenitude que lembra devermos assumir-nos como fiéis responsáveis. Quão é o espírito natalício, em que se enquadram as causas comunitárias, quanto será a satisfação de quem participa neste bem comum.

*

Entretanto, para já aproxima-se a tradicional visita aos vossos domicílios, a propósito da campanha dos Cantares de Reis.

Desde já se relembra que o envelope que acompanha a distribuição deste boletim, para o efeito, será recolhido aquando da visita para o tradicional canto das Janeiras e Reis. No qual poderão fazer a entrega do vosso donativo apropriado.

Na linha dos bons antecedentes, como tem resultado bem o fruto destas comunicações, continua o lema:  “Cantar os Reis” é um sinal popular da vivência natalícia, na sua natureza cristã, rejubilando com o nascimento de Quem que veio para estar entre nós.

Deste modo, em suma, contamos com o vosso donativo generoso, como Bem-haja da nossa visita.
Desejamos a todos um Santo Natal, bem aconchegado no regaço familiar; e um Feliz Ano de 2016, em plenitude de dons e bênçãos de Deus Menino e do nosso S. Tiago Maior.

O Conselho Económico Paroquial.

(Assinatura do Pároco, P.e Manuel Joaquim C. Ferreira)


Armando Pinto

Nenhum comentário:

Postar um comentário