sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Uma senhora cegonha... In memoriam de D. Maria Parteira (1920-2014) – em mais uma crónica no Semanário de Felgueiras


Há marcas do passado que nos estão sempre presentes. Como, entre algumas das vezes em que tal sucede, se nos deparou por estes dias, ao saber do desaparecimento duma pessoa que conhecemos desde criança, na Longra; e, com quem, mais tarde, até chegamos a partilhar o local de trabalho, no Centro de Saúde da Longra – ela sempre como enfermeira-parteira e aqui o autor já como funcionário administrativo, na secretaria do Posto Médico originário da Casa do Povo da Longra.


Sobre ela, a D. Maria, a propósito da notícia do seu falecimento, há uma semana, fizemos um artigo para publicação no jornal felgueirense em que colaboramos, de modo a dedicar-lhe uma mensagem de apreço e admiração, como sentimos, na verdade.

Então, desse artigo, publicado na edição desta sexta-feira, dia 14, colocamos aqui o extrato do mesmo, através de recorte digitalizado da publicação in Semanário de Felgueiras:

(CLICAR sobre o recorte, para ampliar)

Para possibilidade de melhor acesso à leitura, seguidamente colocamos o texto original:

Uma senhora cegonha... In memoriam de D. Maria Parteira (1920-2014)

Estava alinhavado já um artigo, dos que aqui vamos colocando a dar espaço evocativo sobre motivos da identidade local e memória coletiva, quando recebemos notícia do falecimento duma pessoa ainda lembrada do ambiente felgueirense de outras eras - uma senhora que em tempos idos ajudou a trazer ao mundo muitas vidas felgueirenses, enquanto os nascimentos eram em casa das jovens mães. Logo mentalmente voltamos atenções para fazer memória dessa antiga figura pública da sociedade de épocas remotas. Tal o que sempre recordamos da muito conhecida "D. Maria Parteira", como era normalmente reconhecida essa senhora enfermeira-parteira que, oriunda da parte norte da Beira Litoral, veio muito jovem para Felgueiras e por estas bandas se arreigou e fixou residência, durante muitos anos, até sua aposentação. Merecendo, por fim, como ficou, ser referenciada no livro da história da região, estando seu nome também, ao correr da narrativa historiadora, nas páginas do nosso "Memorial Histórico de Rande e Alfozes de Felgueiras".

Foi casada com o sr. Luís Lopes Martins Teixeira, que trabalhou, também durante muitos anos, na Ferfor da Serrinha; e teve quatro filhos: José Carlos, Maria Emília, Alexandre Luís e Delfim Manuel, legando apego telúrico a todos, como mulher especial na sua geração e uma pessoa fortemente marcante.


"A sua memória ficará nos nossos corações" - foi com este epitáfio que a família se despediu de sua Matriarca, natural de Souto, Vila da Feira, onde nasceu a 5 de Abril de 1920. Com efeito, D. Maria Martins de Andrade, como era o nome completo dessa senhora sempre estimada por todos que a conheceram, faleceu na passada sexta-feira, dia 7 deste Fevereiro tristonho, com quase 94 anos, na sua casa em Miramar, junto ao mar da costa territorial de Gaia, para onde se remetera em merecido descanso da labuta, depois que terminou sua carreira profissional. Havendo sido enfermeira-parteira com ação relevante em grande parte do território felgueirense, onde prestou assistência a beneficiárias de diversas áreas do concelho, quando era ainda novidade o mister de auxílio nos partos segundo normas clínicas. Chegada que foi a esta zona do interior nortenho em temporada ainda de cuidados prestados por senhoras habilidosas, de mezinhas caseiras e modos tradicionais. 

Demandara então Felgueiras nos alvores dos marcantes anos 60, vinculada à Casa do Povo da Longra, e entremeando serviço público também como professora regente na escola primária da Longra; e, mais tarde, ainda pertenceu aos quadros do Posto Médico da mesma Casa do Povo e sucessor Centro de Saúde da Longra, até aos anos 80, num longo percurso laboral e ligação local. Viveu sucessivamente em Cimalhas na Longra, depois na Casa de Minhoure em Varziela e posteriormente na sua casa da Sé, no Unhão. Tendo, de permeio, integrado algumas atividades extensivas, como foi o caso de ter andado no Grupo Cénico da Casa do Povo da Longra, representando papéis como atriz no palco de teatro da mesma instituição longrina. Tornando-se parte integrante do modus vivendi da mesma zona em que tão bem se soube inserir, apreciadora do bucolismo regional e particularidades dos sítios que se lhe passaram a ser familiares. Conforme ditava sua convivência, senhora que era de fina sensibilidade e vasta cultura, a pontos de saber apreciar nas famílias amigas e conhecidas, bem como nas casas das parturientes surgidas, quer qualquer particularidade, como por exemplo a reza diária do terço, assim como as preocupações com os ente queridos que em massa seguiam para a guerra no ultramar, mais doenças e outras maleitas da prole, tal qual usos e costumes que poderiam ter seu interesse, bem como se inteirava de tudo o que a rodeava no meio ambiente. Percorrendo toda a região no seu Citroen, um típico salta-pocinhas coevo ao tempo. Sem andar no mundo por ver os outros, mas vincando sua chancela, ao jeito de querer seguir e acompanhar tudo o que viu nascer e desenvolver-se. Acabando por representar, para as gerações que sempre a conheceram, como que uma idealização perdurável, qual, figurativamente, uma boa senhora cegonha, à imagem do que as crianças seguiam nos livros de historinhas infantis... levando no bico grandes sonhos e sensações de tempos imemoriais, dum mundo a perdurar ternamente nos arcanos da memória.

Armando Pinto

3 comentários:

  1. Tiro do grupo Felgueirenses do facebook que

    A gratidão nunca é demais... principalmente quando em tempos difíceis ajudar os casais a trazer ao mundo os seus filhos, era tarefa árdua e fruto de muito amor e abnegação...certeza que com ela, D. Maria, foram muitas histórias de vida ...um rosto sereno que cativa
    e
    Sim a D.na: Maria Parteira tive a honra de a conhecer, uma Mulher ( com letra grande ) sempre pronta a ajudar o seu próximo .

    Eu que não a conheci tão bem mas ouvia falar muito bem dela, fico mais culto com esta belíssima homenagem, que faz com que continue a ser bem lembrada, como uma mulher que ficou a ser de Felgueiras.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado sr. Armando Pinto, a mais bela homenagem á memooria de minha Mãe

    Alexandre Luis

    ResponderExcluir
  3. Não há que agradecer, sr. Alexandre Luís. Costuma dizer-se que a justiça não se agradece e eu desde pequeno fui admirador da D. Maria.
    Gostei de saber que apreciou este trabalho, assim como anteriormente soube que em tempos também se interessou pelo meu livro Memorial Histórico.
    Sempre ao dispor
    Armando Pinto

    ResponderExcluir